Translate

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

O vizinho

Esse conto faz parte do livro USA and abUSA

Fazia pouco tempo que eu tinha me mudado para aquele velho apartamento perto da estação de trem, no terceiro andar de um velho prédio, as escadas decoradas com samambaias e avencas, a luz passava sorrateira entre as janelas que arejavam as escadas com uma leve brisa.
Dentro da minha cozinha tinha uma dispensa com uma janela basculante para ventilação do ambiente.
Estava de férias, e eram quase 15:00, resolvi fazer um bolo. Lá estava eu, procurando a farinha, e meu olhar periférico observou um homem na janela do bloco vizinho, foquei minha atenção naquela direção.
A janela de minha dispensa ficava de frente para a janela do banheiro do vizinho do outro bloco. Com uma distância de um metro nos separava. Ele estava tomando banho. Não via seu rosto, via somente seu peito, a água deslizando sobre sua pele umedecendo todos os pelos do peito. Fiquei paralisada olhando o meu vizinho a se ensaboar, cantar, e claro a se masturbar.
Quando ele começou a masturbar-se, aquilo me excitou muito, não via o rosto do meu vizinho, via os movimentos de seus braços ritmados, quando por fim ele parou e encostou em um canto do banheiro, não permitindo assim que eu o visse... Ali fiquei mais alguns minutos na esperança de ver o meu vizinho, mas não aconteceu. Resolvi eu tomar um banho e me masturbei pensando no vizinho. Deu-me uma fome grande, parecia que eu tinha passado três horas fazendo sexo. Voltei para a cozinha, olhei novamente através da janela, não vi mais nada a não ser janelas e paredes. Fiz o meu bolo de chocolate com café, quando digo com café, um creme de café como recheio...
No dia seguinte estava novamente no mesmo horário atrás de minha janela observando a vida alheia. Não apareceu!
No terceiro dia eu tinha um encontro com uma amiga que também estava de férias, mas cancelei, porque na hora que eu estava saindo de casa, dei uma passadinha na janela para ver o vizinho. Dei sorte, ele estava a entrar no banho... Fiquei a observar novamente, ele entrou no banho, depois entrou uma mulher alta (do mesmo tamanho dele) no banho junto com ele, não conseguia ver o rosto dela também, via somente parte dos seios e o cabelo ruivo (parecia original) molhado. A minha imaginação vibrava com o que poderia estar acontecendo atrás da parede. Eles se abraçaram e se beijaram enquanto a água caia, ela se agachou e ele ficou a se retorcer em pé. Ela se levantou e quem agachou foi ele. Percebi quando ela encostou-se na parede perto da janela, mas não pude ver mais nada, mas eu estava imaginando. Passei outros dias a observar a janela do banheiro do meu vizinho, mas acredito que os horários dele se tornaram diferentes por algum motivo. Não tive a curiosidade de saber quem seria o meu vizinho, mas descobri o meu lado voyeur.

3 comentários:

Ricardo Veiga disse...

Ola Simone até que enfim entrei no seu blog,e estou aqui lendo e me divertindo com suas historias.
Parabéns estão ótimos e bem exitantes.

Anônimo disse...

Noooossa eu amei esse blog.
Muito excitante. Parabéns!

Anônimo disse...

Esse vizinho é tudo de bom!
Viajei...